terça-feira, 27 de novembro de 2012


O dia em que eu saí de casa...

20
Oi meus amores!

E aí? Muitas novidades? Tá eu sei! Tô um tempão sem postar looks, tal e coisa, coisa e tal... Mas eu realmente tive que dar essa pausa, as provas na faculdade e a viagem do meu chefe pra Las Vegas afetaram muuuuito a minha rotina! Sem falar no peste do álbum do Picasa que tá dando chilique pra baixar as fotos aqui no blog, diz que meu espaço esgotou e preciso liberar uma grana para ganhar mais espaço, acho que vou mesmo é apagar algumas fotos! rs [mão de vaca feelings]

Então, eu recebo alguns e-mails de pessoas que me contam de tudo! rs [de tudo mesmo] e consequentemente essas pessoas querem também saber de tudo, acho até que é uma coisa natural, a pessoa conhece o blog pura e simplesmente em busca de inspiração pra se vestir, daí ela passa a te acompanhar diariamente, ou periódicamente que seja, mas com o passar do tempo, elas vão querendo conhecer um pouco mais sobre você [no caso eu] e aqui no blog, nesse mundo virtual em geral, as pessoas acham que tudo é um mar de rosas, que todos vivemos muito bem, que a grama do vizinho é mais verde do que a nossa... será mesmo?

Eu sempre fui uma pessoa decidida, independente, avançada em relação as outras meninas da minha idade, quando criança, lembro que conversava no meio dos adultos com tanta naturalidade que tomava era bronca do meu avô! rs 
Na época eu ficava doida da vida, morria de vergonha sempre que ele me repreendia em alguma conversa, e só hoje vejo que aquilo no fundo, era o sinal de medo que ele tinha de tanta independência, de tanta desenvoltura...

Com 11 anos era eu quem decidia o cardápio da casa, ah! Aliás, era eu quem cozinhava na casa! Minha vó com a saúde sempre debilitada, estava sempre em alguma consulta médica (quando não internada), um dia com cardiologista, outro com um médico qualquer que seja... E nessa rotina, quando ela é meu avô chegavam do hospital, o almoço estava pronto, a roupa estava na máquina, a casa já estava varrida e eu, já estava na esquina de casa vendendo sorvete [atividade que complementava a renda da família].

Meu primeiro emprego de carteira assinada foi com 16 anos, talvez por isso, no dia em que eu disse "estou saindo de casa" aos 18 anos, ninguém se espantou!
Porém, só tinha um detalhe, eu não tinha nada pra sair de casa, só minhas malas de roupas e sapatos!  [meu bem maior até então] rs

Na quinta-feira saí para procurar uma quitinete, encontrei na sexta, me mudei no sábado, só com as malas e algumas panelas que ganhei da minha vó, ah! Minto! Pra não dizer que não tinha nada, eu tinha sim, algumas coisas do meu enxoval, mas eram coisas bobas, tipo, pano de prato, talheres, copos, potes de mantimentos...

Falar em enxoval, eu estava saindo de casa para morar numa quitinete com um carinha por quem eu estava perdidamente apaixonada, mas que na cabeça dos outros não passava de um office boy que ganhava uma merreca! 

 - "Ai meu Deus, como a Bruna é louca, largou um noivo de 36 anos, bem sucedido que mora em um super apartamento em Copacabana pra morar com um moleque numa quitinete!!!"

Na semana seguinte minha casa já estava mobiliada! Eu já tinha tudo! Geladeira, fogão, máquina de lavar, cama, televisão, guarda-roupas... Só um  detalhe... GANHEI TUDO! (Deus é realmente muito fiel) Nada foi comprado! Ali naquela quitinete, eu vivi intensamente, arrisco dizer que foram os melhores momentos da minha vida, foi início de uma nova vida, foram os primeiros meses do meu casamento, ali nos conhecemos de verdade, nos amamos, nos odiamos e nos reconciliamos! rs

Ali naquela quitinete, pequena, mas lindinha, arrumadinha, eu recebi muitos amigos, e por menor que fosse estava sempre cheia, sempre tinha alguém me visitando, sempre tinha alguém querendo estar perto de mim... Servia cachorro-quente na varanda, comia de pé, assistíamos filme na cadeira de praia, ríamos e nos divertíamos... 

Não sei porque motivo hoje me veio esse desejo no coração, de escrever sobre a minha vida, sobre o início da minha independencia... Só sei que deu vontade, e como Deus escreve certo por linhas tortas, talvez hoje, alguém estivesse precisando dessa palavra... 

Então, respondendo aos inúmeros e-mails de pessoas que me pedem digamos, algum conselho, te digo o seguinte: Siga o desejo do teu coração e seja feliz independentemente do julgamento dos outros!




20 comentários:

Naty Mattos disse...

Quando eu crescer quero ser igual a você... Não nos conhecemos pessoalmente, mas sou sua super fã, te admiro muito por simplesmente ser tão assim... você!!!! Gosto de saber de suas histórias, me inspira e me ajuda na minha vida e no meu dia a dia. Seja sempre assim, essa pessoa tão contagiante e especial. Não sei se você tem dimensão do quão importante você é na vida das pessoas que te uma certa forma te rodeia, seja pessoal, virtualmente. Você é muito especial e eu quero muito te conhecer pessoalmente, bjs!!!

ROSE OLIVEIRA disse...

Bruna realmente é assim mesmo as pessoas acha que é sempre tudo perfeito,me pareço muito com vc em alguns aspectos a diferença é que sai de casa aos 15 anos por incompreensão do meu pai ao descobrir que eu estava gravida como comecei a trabalhar aos 14 anos aos 16 já tinha minha casinha (2 cômodos kkksss)passei momentos difíceis mas ao olhar a minha filha via um combustível para correr em busca dos meus sonhos,vim para São paulo quando ela tinha 9 meses (hoje ela tem 17 anos),ralei trabalhei muito afinal sustentar uma filha não é fácil e colhi bons frutos disso,fui a primeira na minha família a fazer uma faculdade que me abriu portas,montei um negócios junto com uma amiga vivo dele hoje e juntei os trapinhos com o meu marido apos 12 anos de relacionamento agora cerca de 3 anos,minha filha hoje é minha melhor amiga e como vc falou realmente as vezes quando vejo alguns blogs tenho a impressão que as pessoas vivem em um conto de fadas de tão perfeito é bom ver gente como a gente kkkkkkss um xeru gostoso....

http://www.blogtopodendo.blogspot.com.br/

De tudo um pouco! disse...

Oi bruna te sigo e sempre venho te visitar so que a correria do dia dia é grande ai ja viu, no maximo que consigo é ler e sair, mais hoje eu não poderia deixar de escrever, eu amei a sua história muito linda rsrsrr... se der me segue tenho um blog tb que falo de tudo um pouco..beijos

Amandinha♥ disse...

Você me inspira, Bruna. Tenho esse mesmo temperamento e não me arrependo, por mais que eu seja repreendida frequentemente.
Espero ter uma história tão linda quanto a sua.
Beijos s2

Nathy Oliveira disse...

Poxa Bruna, que história linda!!
Deve ser por isso que simpatizo com vc de graça, mesmo sem te conhecer pessoalmente.
Gosto de pessoas autênticas, que vivem a sua vida independente dos julgamentos alheios.
Temos uma história parecida em alguns aspectos, eu comecei a trabalhar com 16 anos ganhando na época R$50,00 por mês, comecei a morar sozinha aos 19 anos, não para morar com alguém, mas sozinha mesmo. Já não aguentava mais as brigas com minha mãe. E digo, que de lá pra cá, nunca houve um momento que eu duvidasse que estava no caminho certo, Deus sempre a frente demonstrando a sua fidelidade comigo.
Bjins =^.^=

nathyposhspiceps.blogspot.com.br

Hipérbole disse...

Linda história, como você. Apesar de só ter te visto duas vezes, você é uma pessoa que conquista facilmente. Obrigada por servir de inspiração pra maloqueira que andava de jeans e blusa preta!
Beijos

Vivis Fróes disse...

Amei o postei lindona.

Me inspirou. Meu coração grita e pula toda vez que pessoas como você me inspiram!

MaSan disse...

Amei, amei, amei...me senti um pouco mais sua amiga agora! beijos

Flávia disse...

Tudo coopera para o bem daqueles que amam a Deus. Que Deus lhe abençoe imensamente.

Bruna Duarte disse...

Oi Bru! Engraçado eu entrar aqui e ver essa sua história... Além do nome igual, temos muita coisa em comum... Saí de casa aos 19 anos, estava a 10 meses namorando com um carinha que aos 3 meses de namoro me pediu em noivado e resolvemos casar. A gente não tinha nada, nem onde cair mortos... Ele desempregado, eu ganhando pouco, ambos sem faculdade...
A gente quis antecipar as coisas porque as brigas com nossas respectivas mães sempre foram uma constante na vida da gente. Ganhamos tudo (graças a Deus que sempre foi fiel a nós e nunca nos deixou faltar nada). Fomos morar de aluguel num apartamentinho miúdo em olaria quando ele conseguiu emprego em uma faculdade. Por causa desse emprego, oficializamos o casamento para que eu tivesse o direito de bolsa integral como ele tinha por ser funcionário. Ele ganhava um salário mínimo, ninguém da família acreditava que ia dar certo, falavam que eu ia engravidar e virar dona de casa. Hoje, estamos juntos a 6 anos, casados a 5, eu arquiteta formada e ele tb se formando na arquitetura... Muito felizes, ainda sem um bebê mas estamos aguardando a formatura dele pra encomendar... No meio desta história toda minha mãe morreu, foi muito difícil mas Deus sabia o que fazia quando colocou o Léo na minha vida, porque sem ele eu não iria conseguir superar a perda dela. Apesar de não te conhecer pessoalmente, me sinto sua amiga, me identifico muito com você pelo seu jeito. Vc é uma querida! Parabéns pela história! Beijos

Cris Miranda disse...

Que linda história amiga, que eu já conhecia um pouquinho, mas que é sempre bom ler. A cada dia me torno mais sua fã e mais admiradora do ser humano maravilhoso que vc é, simples, humilde. Poucos são as pessoas capazes de contar uma história tão bonita, publicamente, como vc fez. E isso é virtude, você é um exemplo de ser humano e principalmente de mulher, batalhadora, guerreira! Te adoro demássss! Beijosss

Thayane Oliveira disse...

Ai sua lindaaaa, amei o texto, amei vir aqui e ver sua carinha e amo de verdade essa sua audácia esse seu desprendimento e praticidade!!!!

Sempre senti isso em vc, msm nas poucas e maravilhosas vezes que nos vimos!!!

Bru vc é uma TUDA DE LINDAAA


beijos


Thay*

O Mundo de Danica disse...

Bacana saber mais de vc.

Meu blog tmb tá frescando, com esse lance de pagar para liberar espaço..oxeeee!

Bjooooo

danidruskis disse...

Com certeza, realmente alguem precisava ouvir isto !!!!! Sua historia se parece com a minha....nunca devemos nos arrepender de tentar ser feliz ! Parabens....Ah eu entro no seu blog quase que diariamente viu ! bjs

Thamires Maria Augusto disse...

Ai que MÁXIMO. Me deu força de vontade pra muita coisa...



http://0800-togorda.blogspot.com.br/

silvana gomes de oliveira lourenço disse...

Bruna
Vc é um exemplo pra mim.
Te desejo toda a felicidade do mundo.
Bjm !!!

Mª Helena Cordeiro disse...

Parabéns pela força e coragem :)

Você já conhece o Mary AbOUT!?
Onde você compra e vende de TUDO que é BOM!

No mês de Dezembro estamos com o sorteio de um Maxi Colar chiquérrimo. Conto com a sua participação, ok?

Te espero!

Beijo,
Maria Helena
Mary AbOUT!

www.maryabout.blogspot.com

Luisa disse...

Demorei, mas cheguei para ler seu post tão lindamente escrito e de coração aberto.
Concordo contigo que precisamos fazer o que sentimos vontade. Muito tempo eu tentei reprimir muitas coisas em minha vida, mas acho que a maturidade vai chegando e você vai se dando conta que se não fizermos agora o que nos faz feliz não faremos nunca.

Parabéns por sua coragem!

Bjks ")
http://www.lumanzana.blogspot.com.br

Iéia disse...

eu já ia curtir e daí lembrei q não é o Facebook... hahahah

Tok Charme disse...

Adorei seu blog muito lindoo! aqui fiz meu blog com muito carinho, faça uma visitinha e segue lá. Estarei acompanhando sempre seu blog pois gostei muito http://tokcharm.blogspot.com.br/

Postar um comentário

Brunecas agradece sua visita, volte sempre!

Cat